Pular para o conteúdo principal

Vá de bicicleta para o trabalho: os benefícios para a saúde são surpreendentes

Vá de bicicleta para o trabalho: os benefícios para a saúde são surpreendentes

Incentivar o maior número possível de trabalhadores a pegar a bicicleta precisa se transformar em prioridade para os governos


Ciclista em uma rua de Paris.

Estudos científicos têm demonstrado, por unanimidade, que as pessoas que realizam menos atividade física são mais propensas a desenvolver problemas de saúde como doenças cardíacas e diabetes tipo 2, além de morrerem mais cedo. No entanto, cada vez há mais evidências de que os níveis de atividade física estão diminuindo.
O problema é que, quando há muitas atividades que exigem nosso tempo, muitas pessoas acham difícil dar prioridade ao exercício. Uma solução é matar dois coelhos com uma cajadada, indo para o trabalho de bicicleta ou a pé. Acabamos de concluir o estudo mais amplo até agora realizado sobre o impacto que isso tem sobre a saúde.
O trabalho foi publicado no British Medical Journal, e os resultados, especialmente com respeito ao deslocamento em bicicleta, têm implicações importantes e indicam que incentivar o maior número possível de trabalhadores a pegar a bicicleta precisa se transformar em uma prioridade máxima para os municípios e governos.

Os resultados

Ir para o trabalho de bicicleta ou a pé – o que às vezes é chamado de “deslocamento ativo” – não é algo muito comum no Reino Unido. Dos trabalhadores que se deslocam para o trabalho, apenas 3% usa a bicicleta e 11% vai a pé, o que representa uma das taxas mais baixas da Europa. No extremo oposto da escala, 43% dos holandeses e 30% dos dinamarqueses pedalam diariamente.
Para entender melhor o que poderíamos estar perdendo, estudamos 263.450 pessoas com uma idade média de 53 anos, assalariados ou autônomos, que nem sempre trabalham em casa. Perguntamos aos participantes se costumavam ir para o trabalho de carro, em transporte público, a pé, de bicicleta ou usando alguma combinação destes meios.
A seguir, agrupamos nossos trabalhadores viajantes em cinco categorias: não ativos (aqueles que utilizavam o carro ou o transporte público); exclusivamente caminhantes; ciclistas (incluindo alguns que também caminhavam); caminhantes de tipo misto (caminhantes e não ativos), e ciclistas de tipo misto (ciclistas e não ativos, incluindo alguns que também caminhavam).
Fizemos um acompanhamento ao longo de cinco anos, levando em conta os casos de doenças cardíacas, câncer e morte. Um aspecto importante é que fizemos correções com base em outros fatores que influenciam a saúde, como o sexo, a idade, a precariedade econômica, a etnia, o consumo de tabaco, o índice de massa corporal, outros tipos de atividade física, tempo que passavam sentados e dieta. Além disso, em nossa análise, levemos em consideração qualquer possível diferença de risco relacionados com acidentes de trânsito, enquanto que excluímos os participantes que já tiveram câncer ou doenças cardíacas.



No estudo, descobrimos que ir trabalhar de bicicleta estava relacionado com um risco de morte 41% inferior comparado com quando o deslocamento é feito de carro ou em transporte público

Descobrimos que, no geral, ir trabalhar de bicicleta estava relacionado com um risco de morte 41% inferior do que quando o deslocamento é feito de carro ou em transporte público. Aqueles que iam para o trabalho pedalando tiveram um risco 52% menor de morrer de doença cardíaca e um risco 40% menor de morrer de câncer. Além disso, o risco de desenvolver uma doença cardíaca foi 46% inferior, e o de desenvolver câncer, 45% menor.
Caminhar para o trabalho não estava associado com um menor risco de morrer por nenhuma dessas causas. No entanto, os caminhantes tinham um risco 27% menor de sofrer de doenças cardíacas e 36% menos de morrer como consequência delas.
Os ciclistas de modalidade mista desfrutavam de um risco 24% inferior de morte por qualquer uma das causas, 32% menos de desenvolver câncer, e 36% menos de morrer desta doença. No entanto, não tinham um risco significativamente menor de sofrer com doenças cardíacas, enquanto que os caminhantes de modalidade mista não tinham um risco menor em relação com nenhum dos efeitos para a saúde analisados.
Tanto para os ciclistas quanto para os caminhantes existia uma tendência a uma maior redução do risco entre aqueles que percorriam distâncias maiores. Além disso, aqueles que faziam parte do caminho para o trabalho de bicicleta também desfrutavam de benefícios, o que é importante pois muitas pessoas vivem muito longe do lugar onde trabalham para cobrir toda a distância pedalando.
Em relação aos caminhantes, o fato de os benefícios para a saúde serem mais limitados pode estar relacionado com a distância percorrida, já que, no Reino Unido, estes últimos se deslocam menos quilômetros em média, concretamente, pouco mais de nove por semana, em comparação com os mais de 48 dos ciclistas. Portanto, possivelmente, teriam que andar distâncias maiores para obter benefícios significativos. No entanto, também é possível que os benefícios menores da caminhada tenham a ver com o fato de que é uma atividade menos intensa.

E agora, o quê?

Nosso trabalho amplia as evidências de estudos anteriores em vários aspectos importantes. Nossos 250 mil participantes superaram os de todos os outros estudos juntos, o que nos permitiu mostrar a relação existente entre deslocar-se para o trabalho de bicicleta ou a pé e seus efeitos para a saúde de forma mais clara do que antes.
Concretamente, os resultados acabam com a incerteza anterior no que diz respeito à relação com o câncer, bem como com os ataques cardíacos e as mortes relacionadas com eles. Da mesma forma, contamos com suficientes participantes para avaliar separadamente pela primeira vez os deslocamentos de bicicleta, a pé e na modalidade mista, o que ajudou a confirmar que pedalar é mais benéfico do que andar.
Além disso, grande parte das investigações anteriores foram realizadas em lugares como a China e os países nórdicos, onde é comum ir ao trabalho de bicicleta e há boa infraestrutura de apoio. Sabemos agora que em um país no qual o deslocamento ativo não faz parte da cultura estabelecida os mesmos benefícios são obtidos.



Também não podemos esquecer outras vantagens, como a redução do congestionamento de tráfego e as emissões dos veículos

É importante insistir que, embora tenhamos feito tudo que estava ao nosso alcance para eliminar outros fatores que pudessem influenciar o resultado, nunca é possível conseguir isso completamente. Isso significa que não podemos dizer com total certeza que o deslocamento ativo é a causa dos efeitos na saúde que medimos. Ainda assim, nossas conclusões indicam que os responsáveis políticos podem dar um grande passo em saúde pública, especialmente incentivando o deslocamento ao trabalho de bicicleta. Também não devemos esquecer outras vantagens, como a redução do congestionamento de tráfego e as emissões dos veículos
Alguns países estão muito à frente do Reino Unido no que diz respeito ao fomento do uso da bicicleta. Em Copenhague e Amsterdã, por exemplo, as pessoas vão de bicicleta, porque é a maneira mais fácil de se deslocar pela cidade.
As coisas nem sempre foram assim. As duas cidades começaram a adotar estratégias claras para melhorar a infraestrutura para bicicletas. Os meios para conseguir este objetivo incluem o aumento do número de ciclovias, criar planos urbanos de aluguel de bicicletas, criar programas subsidiados de compra e estacionamento seguro, e dar mais facilidades para levá-las no transporte público.
Para o Reino Unido e outros países que ficaram para trás, as novas descobertas indicam que estão frente a uma clara oportunidade. Se aqueles que têm a capacidade de tomar decisões forem corajosos o suficiente para enfrentar o desafio, os benefícios a longo prazo podem significar uma grande mudança.
Jason Gill, professor associado do Instituto de Ciências Médicas e Cardiovasculares da Universidade de Glasgow.
Carlos Celis-Morales, pesquisador associado do Instituto de Ciências Médicas e Cardiovasculares da Universidade de Glasgow.
Cláusula de divulgação:
Jason Gill recebe ou recebeu financiamento do Conselho de Pesquisa Médica, da Comissão Europeia, Diabetes UK, da Fundação Britânica do Coração, Câncer de Próstata UK, Peito, Coração e derrame cerebral Escócia, da Fundação Wellcome, da Royal Society, TENOVUS, da organização Wellbeing of Women e do Fórum Futuro.
Este artigo foi originalmente publicado em inglês no site The Conversation.







Vem conhecer a
STRONG LIFE ROUPAS PARA CICLISMO
& UNIFORMES PERSONALIZADOS PARA GRUPOS
www.stronglife.com.br
fanpage: STRONG LIFE ROUPAS PARA CICLISMO
instagram: @stronglife.ciclismo






fonte: El país

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sedentarismo: um problema que mata 5 milhões de pessoas por ano

Sedentarismo: um problema que mata 5 milhões de pessoas por ano Saiba o que é sedentarismo, seus riscos e o que fazer para uma vida mais saudável "O sedentarismo é definido com a falta ou diminuição da atividade física, provocando uma queda do gasto energético diário do indivíduo”, explica Chiara Brandão, cardiologista especializada em medicina do exercício e do esporte. Em números, ela esclarece que, em maior ou menor grau, pode ser considerada sedentária qualquer pessoa que não realize exercícios físicos aeróbicos vigorosos três vezes por semana, ou exercícios moderados cinco vezes por semana. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 150 minutos de atividades físicas por semana seriam o suficiente para tirar uma pessoa do sedentarismo e da zona de risco das doenças associadas a ele. Parece muita coisa? Isso ocorre porque, ao longo do processo evolutivo, nosso corpo se desenvolveu para realizar bastante movimento, pois era isso que garantia nossa sobrevivência. Nã

DICAS PARA PEDALAR NO INVERNO - STRONG LIFE Roupas para Ciclismo

Os médicos garantem: a estação mais fria do ano favorece a queima de calorias e a perda de peso                 O frio chega e a vontade de fazer exercícios some. A disposição dificilmente vence a briga com o termômetro quando as temperaturas caem. O resultado é uma correria danada nos próximos  meses para compensar o tempo de preguiça. E o que você nem desconfiava: você está desperdiçando o melhor período do ano para ganhar saúde e dar um gás no emagrecimento.                       Foto: Cybiker   Confira quais são os 15 principais  motivos que precisam ser lembrados na hora de abandonar o edredom e sair para pedalar.   1-Mantenha  o corpo hidratado. Sempre. Mesmo no inverno o seu corpo necessita de líquido. 2-Agasalhar-se bem. Não corra riscos de ficar gripado após os seus exercícios.              Foto: syla_przylsk   3- Fazer exercício é preciso,  m as acordar de madrugada, não. Opte por horários menos frios. Sair um pouquinho mais tarde

DICAS PARA PEDALAR NO FRIO - STRONG LIFE

DICAS PARA PEDALAR NO FRIO - STRONG LIFE " O frio não é desculpa para não sair para pedalar, principalmente se o tempo estiver seco, sabendo algumas dicas e praticando, a pedalada pode se tornar até mais gostosa do que naqueles dias de calorão do verão. O calor é bom, mas quem reside no sul do Brasil pode se considerar um privilegiado, porque pode pedalar e conhecer paisagens diferentes nas quatro estações do ano. O Importante é saber desfrutar das vantagens do clima de cada estação, que na região sul são mais definidas. No frio você tem outras maneiras de controlar a temperatura, outras paisagens para apreciar, outras frutas para degustar, outros cuidados para tomar.   Estas dicas não são definitivas, considere como sugestões, e tire as próprias conclusões, adapte as ao teu tipo de pedalada, use a dica que mais você gostou. Mesmo que você seja um ciclista experiente, acostumado a pedalar no frio, que tenha bom equipamento, sempre pode aprender ou lembrar de algo qu

7 coisas fáceis de fazer para tornar-se um ciclista mais rápido

7 coisas fáceis de fazer para tornar-se um ciclista mais rápido Algumas mudanças simples nos seus hábitos e estilo de vida podem torná-lo um ciclista muito mais rápido. Frequentar uma academia, cortar calorias, reduzir a ingestão de líquidos açucarados e adotar algumas rotinas específicas de treinamentos são algumas delas. Listamos as 7 mudanças mais significativas. Contamos com a colaboração de pesquisas, nutricionistas, treinadores e atletas para elencar estas dicas. Aproveite! Elas valem ouro. Beba leite desnatado Você já sabe que você precisa de proteínas para construir os músculos após um treino duro. Isto não é novidade para nenhum ciclista. Um estudo canadense com 56 praticantes descobriu que aqueles que bebiam leite desnatado antes e após o treinamento construíam tecidos musculares mais magros e mais rapidamente do que aqueles que beberam bebidas de proteínas de soja. Torna-se uma bebida perfeita pós treino. Mistura uma xícara de café expresso para dar uma injeção

PORQUE USAR BRETELLE PARA PEDALAR?

  PORQUE USAR BRETELLE PARA PEDALAR?  QUAL A DIFERENÇA ENTRE BRETELLES E BERMUDAS? VOCÊ SABE? BRETELLE PARA CICLISMO Conforto. O bretelle é um equipamento imprescindível para qualquer praticante e não é à toa que se popularizou tanto. Torna o pedal mais confortável, apresentando forro e modelagem justa ao corpo, proporcionando maior liberdade de movimento. Há quem diga que, após experimentar um bretelle de ciclismo, ninguém volta para a bermuda de ciclista. Mas, por outro lado, é comum encontrarmos pessoas que não se adaptam ao bretelle e, portanto, não abrem mão do uso da bermuda. Você sabe qual é a diferença entre essas duas vestimentas para ciclistas e qual se adapta melhor ao seu pedal? Continue lendo esse post para entender melhor sobre esse assunto. Bretelle ou bermuda, qual é melhor? O bretelle, nada mais é que uma bermuda com alças, quase parecendo um suspensório. Seu uso é recomendado para aqueles ciclistas que sentem o elástico da bermuda apertado no quadril ou sentem dores n

PARA QUE SERVE A BANDANA DE CICLISMO?

 PARA QUE SERVE A BANDANA DE CICLISMO? Talvez você não saiba, mas ela é um acessório indispensável para quem pedala. Ela protege diretamente o seu couro cabeludo contra queimaduras solares e sujeira que possa ser projetada na sua direção. A forma mais comum de se utilizar a  bandana  é na cabeça, mas outras maneiras também auxiliam o  ciclista. Primeiramente é bom lembrar que a bandana exerce seu papel principal, entre os esportistas, como barreira de pó e também para absorver o suor. Para quem pratica ciclismo em climas quentes ou muito frios, a bandana se torna algo de grande utilidade.  1- NO CALOR Naqueles momentos de longas pedaladas o que mais incomoda é o fluxo gotejante de suor que cai em direção ao rosto e quase sempre prejudica nosso conforto de visibilidade pela irritação que causa nos olhos. A bandana tem sido um dos acessórios prediletos tendo em vista a proteção do cabelo contra poeira, detritos e insetos, mas também por exercer uma barreira contra o suor para o interior